segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O PREÇO DA AMARGURA


“Não te digo que (perdoes) até sete veze, mas até setenta vezes sete”. Mateus 18:22
Assim como temos de seguir a instrução bíblica de perdoar, devemos também avaliar o alto preço de negar o perdão. Desobedecer a este mandamento bíblico traz amargura, que Neau T. Anderson afirma ser como “ácido de bateria na alma”. A ausência de perdão provoca ira, ressentimento, depressão, doenças, isolamento, vícios e outros problemas. Além disso, faz com que continue a perseguir a pessoa até que ela resolva a situação. Aqueles que se Agarram a amargura magoam mais a si mesmos do que o alvo da sua ira.
Contudo há um segundo preço, tão penoso quanto o primeiro. Jesus contou a parábola de um sevo impiedoso que, depois que o seu senhor lhe perdoou uma grande dívida, exigiu o pagamento de uma pequena soma de outro servo. O Senhor mandou que ele fosse lançado na cadeia e torturado. “Assim também meu Pai celeste vos fará”, disse Jesus, “ se do íntimo não perdoares cada um a seu irmão”.(Mateus 18:35)
Para casais que desejam seguir o caminho de Deus e esperam receber o melhor que Ele tem pra seu relacionamento, o perdão é mais que uma mera sugestão, é um mandamento espiritual!
Aqui entre nós...
- Por que motivos negar o perdão prejudica mais a nós mesmos do que a quem nos ofendeu?
- Um de nós está amargurado hoje? Por quê?
- Que passos podemos dar rumo junto ao perdão?
- O que podemos fazer para evitar amarguras futuras?
“Querido Senhor, foste muito claro sobre as conseqüências de negarmos o perdão, ajuda-nos a te ouvir e obedecer. Que estejamos sempre te agradando e abençoando uma ao outro com nossa prontidão para perdoar. Amém.”

1 comentários:

Pereira 15 de janeiro de 2012 10:23  

PAPA BENTO XVI AFIRMA: MATEUS 28:19 É INVENÇÃO DE ROMA

LIVRO: INTRODUÇÃO AO CRISTIANISMO DO CARDEAL JOSEPH RATZINGER, (PAPA BENTO 16) 1ª EDIÇÃO, 1968, PÁG. 82-83:


"The basic form of our (Matthew 28:19 Trinitarian) profession of faith took shape during the course of the second and third centuries in connection with the ceremony of baptism. So far as its place of origin is concerned, the text (Matthew 28:19) came from the city of Rome." The Trinity baptism and text of Matthew 28:19 therefore did not originate from the original Church that started in Jerusalem around AD 33. It was rather as the evidence proves a later invention of Roman Catholicism completely fabricated. Very few know about these historical facts." --- Introduction to Christianity By Joseph Ratzinger. page 82-83. THE 1968 EDITION.

Tradução:

"A forma básica da nossa profissão de fé trinitariana (Mateus 28:19) tomou forma durante o curso dos séculos segundo e terceiro em conexão com a cerimônia de batismo. Medida em que o seu lugar de origem está em causa, o texto (Mateus 28:19) veio da cidade de Roma."
O batismo da Trindade e texto de Mateus 28:19, portanto, não se originou a partir da Igreja original, que começou em Jerusalém por volta do ano 33. Era um pouco como a evidência demonstra uma invenção posterior do catolicismo romano completamente inventada. Muito poucos sabem sobre estes fatos históricos." --- Introdução ao Cristianismo por Joseph Ratzinger. página 82-83. Edição de 1968.






Deus Preservou a Bíblia (APESAR DAS MUDANÇAS PROPOSITAIS)

“Vi que Deus havia de maneira especial guardado a Bíblia, ainda quando dela existiam poucos exemplares; e homens doutos nalguns casos mudaram as palavras, achando que a estavam tornando mais compreensível quando, na realidade, estavam mistificando aquilo que era claro, fazendo-a apoiar suas estabelecidas opiniões, que eram determinadas pela tradição. Vi, porém, que a Palavra de Deus, como um todo, é uma cadeia perfeita, prendendo-se uma parte à outra, e explicando-se mutuamente.”
Primeiros Escritos, pág. 220-221 – História da Redenção, pág. 391


“Recomendo-vos, caro leitor, a Palavra de Deus como regra de fé e prática. Por essa Palavra seremos julgados. Nela Deus prometeu dar visiões nos últimos dias; não para uma nova regra de fé, mas para conforto do Seu povo e para corrigir os que se desviam da verdade bíblica”. Mensagens Escolhidas. Vol. III, pág. 29.


“A mentira tem pernas curtas”, como diz o ditado!
Uma vez que o único texto da Bíblia (Mateus 28:19) que ensina sobre a trindade é uma falsificação que veio de Roma, conforme a confissão do Papa Bento XVI no livro acima citado, quase que tardiamente, mas ainda em tempo, os sinceros podem fazer uma correção de fé. É o único texto bíblico que faz referência à trindade, porém, não foi obedecido e na Bíblia não existe nenhum cumprimento desta ordem registrado , sabem porque? Porque não é um texto legítimo e não existia no tempo dos apóstolos! Por isso não tem registros!
É importante corrigir a fé dos trinitarianos que são sinceros na crença? Claro! A trindade, que não existe, quebra o 1º Mandamento da Lei de Deus que diz: “Não terás outros deuses diante de MIM”. Note que não é “Não terás outros deuses diante de NÓS”, segundo a trindade .
O Primeiro Mandamento é tão importante quanto os outros Mandamentos do Decálogo. Para quem pertence à Igreja Adventista do Sétimo Dia, podemos dizer: “Não é importante restaurar o Sábado Bíblico do Quarto Mandamento isoladamente , mas também o Primeiro Mandamento!
ROMA andou mutilando a “Lei de Deus” porém, convém que sejamos reparadores de brechas. Ou vamos incorrer no erro abaixo:
- “E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus?” – ROMANOS 2:3


email: Urso10000@gmail.com

Postar um comentário